Formosa do Rio Preto: CNJ pede arquivamento e mantém decisão do TJ sobre caso de grilagem

Reprodução

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu arquivar a solicitação da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados para reabrir a investigação sobre o conflito de terras em Formosa do Rio Preto, no Oeste da Bahia. O corregedor nacional de Justiça, Humberto Martins, analisou o caso e informou que não há elementos novos capazes de mudar a decisão do TJ-BA.

Ele ainda ressaltou que o CNJ não deve ser utilizado para alterar ou debater novamente uma decisão judicial já proferida. O ex-deputado Osmar Serraglio solicitou que o CNJ investigasse a decisão do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) de reconhecer que a posse das terras era da família de José Valter Dias.

Havia a suspeita que servidores públicos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e membros da magistratura local estariam envolvidos no suposto esquema de grilagem. A solicitação de arquivamento partiu da presidência do TJ-BA.

Quem se beneficiou com a decisão do CNJ foi o proprietário José Valter Dias, que buscava na Justiça há 30 anos o reconhecimento pela posse de mais de 300 mil hectares na região de Formosa do Rio Preto.

O imbróglio ficou famoso como um dos maiores casos de grilagem de terra do Brasil.

 Bnews.com.br

Sobre Darlan Alves Lustosa 3452 Artigos
Texto sobre o administrador do site.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.