Polícia investiga tentativa de golpe de R$ 194 milhões contra igreja em Gilbués

Reprodução

A Igreja Deus é Amor procurou a polícia e o Judiciário relatando ter sido alvo de uma tentativa de um golpe milionário em Gilbués, cidade de cerca de 10 mil habitantes no Sul do Piauí. As informações são do colunista Rogério Gentile, do UOL.

Segundo o colunista, o relato feito pela Igreja, com base em documentos falsos, golpistas entraram com um processo na Justiça do município, cobrando uma suposta dívida de R$ 194 milhões.

A dívida, segundo o processo, seria referente à compra de duas fazendas no interior do Estado, em 2014, uma de 12 mil hectares e outra de 9.800.

Antes que a Deus é Amor pudesse se manifestar na ação, a Justiça de Gilbués determinou o bloqueio de R$ 194 milhões das contas bancárias da igreja, disse o portal em matéria publicada ontem (6). Na sequência, ordenou a penhora de 10% dos valores bloqueados. Cerca de R$ 5 milhões chegaram a ser transferidos para outra agência bancária.

A Igreja, soube da ordem de bloqueio pelo Banco do Brasil e, assustada com os valores envolvidos, procurou a polícia relatando a tentativa de fraude.

“O contrato é falso”, afirmou à polícia e à Justiça. “A Igreja Pentecostal Deus é Amor nunca, jamais, em tempo algum, firmou o instrumento contratual executado, tampouco recebeu a posse de qualquer fazenda.”

Misteriosamente, depois que a polícia e a Justiça foram acionadas pelos advogados da igreja, o autor do processo solicitou a extinção da cobrança alegando “questões de foro íntimo”. A ordem de bloqueio foi revogada. Nenhum valor chegou a ser sacado.

Não se sabe ainda se a pessoa que assina o processo tem, de fato, envolvimento no caso. É possível que os golpistas tenham usado indevidamente seu nome, por meio de documentos pessoais falsificados, para tentar viabilizar a fraude.

Não se sabe sequer ainda se as fazendas existem realmente.

0 0 voto
Classificação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários