Vidas importam! Mais de 550 acidentes em Formosa do Rio Preto em dez meses

Foto: Leo Drumond - Projeto Beira de Estrada

No início da noite daquele 21 de junho de 2019, o jovem Felipe, depois de divertir-se com amigos as margens do rio Preto, já de volta pra casa, bateu violentamente contra o morão da ponte de madeira sobre rio e morreu.

Uma semana depois, no final da tarde do sábado (29), Gabriel Alves da Silva de 22 anos, atravessava a BR-135 a bordo de uma moto e foi apanhado por uma carreta e também morreu. No dia 16 de julho, um carro de passeio diminuiu bruscamente a velocidade na BR-135 para acessar um povoado e foi atingido na traseira, deixando a passageira morta. O impacto foi tão forte que ela foi arremessada para fora do veículo.

Após impacto, carro é jogado pra pista contrária próximo a Lagoa do Seu Zé em Formosa do Rio Preto (BA) | Foto: Darlan Alves Lustosa

Em 06 de julho, as 23h50 de um sábado, em um cruzamento no centro da cidade, um carro colide em uma moto e deixou o motociclista com a perna quebrada. Em média, ele passará seis meses até se recuperar.

Na noite deste domingo (28) mais uma vida foi ceifada, quando um homem de 40 anos foi atingido por um carro na BR-135.

Cenas como estas tem sido repetidas em Formosa do Rio Preto com média de quase 3 acidentes por dia. Em dez meses, numa copilação de dados do Portal do Cerrado, foram registrados 553 acidentes e segundo uma pesquisa da Universidade Federal do Paraná em parceria com o ONSV (Observatório Nacional de Segurança Viária), as cidades brasileiras de pequeno porte (com até 100 mil habitantes) concentram praticamente a metade das vítimas de trânsito no país (49%).

A monetização dos custos de acidentes, sobretudo de vítimas fatais, é complexa e criticada por alguns autores que argumentam questões de incompatibilidade ética acerca de valoração de vidas, em parte pela dificuldade de mensurar a dor e o sofrimento. Perder um parente repentinamente nunca será fácil.

Os custos sociais decorrentes de acidentes de trânsito são elevados e impactam diretamente na economia do município. Se por um lado eleva os custos da saúde, por outro impacta diretamente da vida do acidentado, deixando-o impossibilitado para o trabalho e elevado custo para a família.

Basta observar a quantidade de pessoas que são atendidas por ortopedistas no Hospital Municipal de Formosa do Rio Preto. A título de exemplo de custos, um acidentado que tenha a bacia fraturada até o seu pronto restabelecimento é em média de vinte mil Reais. Sem contar que neste período a vítima para de produzir.

A 86ª Companhia Independente de Polícia Militar em Formosa do Rio Preto tem agido com rigidez com blitz e apreensão veículos, por outro lado, alguns vereadores que ignoram a vida do cidadão parte para cima da corporação militar em buscar de liberação do veículos, sem se importar com as causas e efeitos que motoristas nem sempre habilitados causam na vida. Ao contrário do legislativo, o executivo municipal tem dado total liberdade ao trabalho da Polícia Militar sem interferência, tão típica em outros momentos.

Para além disso, há veículos sem condições de trafegabilidade com pneus sem condições ou a falta do uso do capacete, como também motos que transportam mais de duas pessoas. O que mais se observa nas ruas de Formosa do Rio Preto é a ultrapassagem pela direita em flagrante desrespeito a lei de trânsito ou trafegar em baixa velocidade em uma pista de alta velocidade como a BR-135 que corta o município e serve de acesso para muitos povoados.

É necessário que pensemos nas nossas responsabilidades como condutores. Necessário preparar para guiar um veículo de duas ou quatro rodas com no mínimo conhecimento das Leis de Trânsito. Temos que pensar em trânsito saudável que seja favorável a vida e não a morte.

Vidas importam! Não podemos mais ignorar tantas perdas.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.