Uma travessia de horror e encantamento em O Língua, de Eromar Bomfim

Ana Elisa Ribeiro | Revista Pessoa

Como a narrativa não se subjetiviza nele, não sabemos o que pensa O Língua, por que aceita estar entre os brancos, com relativa deferência, atuando como homem de confiança de qualquer lado, uma vez que pode fazer traduções durante conflitos e outros momentos de tensão. É, afinal, um traidor, questão comum para a tradução de maneira geral. Durante a leitura, foi interessante acompanhar O Língua quando jovem, depois longe de seu povo, depois entre os brancos e, enfim, miserável, até encontrar sua mãe, mesmo sem se lembrar muito bem dela.

Há um tipo de leitura que me incomoda profundamente: as que não fiz ou, mais ainda, as que não tivemos chance de fazer coletivamente, em massa.

Alguns livros me parecem tão necessários que chego a lamentar que não alcancem algum público mais vasto ou que existam tão discretamente. Outras obras nem são tão discretas assim, mas me incomodam porque serão ou foram lidas por menos gente do que seria desejável e importante.

O Língua, de Eromar Bomfim, me deixou com esse amargor na boca, o de ser um livro que me pareceu amplamente necessário, já que dá à nossa imaginação…

Veja a matéria completa no link abaixo:

Uma travessia de horror e encantamento em O Língua, de Eromar Bomfim


Ana Elisa Ribeiro

Ana Elisa Ribeiro nasceu em 1975, em Belo Horizonte, cidade onde vive. É autora de livros de poesia, conto, crônica e literatura infantojuvenil, por diversas editoras brasileiras. Bacharel e licenciada em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais, onde também se formou mestre e doutora em Estudos Linguísticos.É professora e pesquisadora nos campos da Linguística Aplicada e da Edição, no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais.

Sobre Darlan Alves Lustosa 3574 Artigos
Texto sobre o administrador do site.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.