Ex-Secretária de Saúde rebate acusações da atual gestão de Formosa do Rio Preto

Texto foi liberado na terça-feira (9).

Foto: Reprodução

A ex-secretária da pasta da Saúde de Formosa do Rio Preto na Bahia, Thaíse Dias, rebateu através de uma nota de esclarecimento, as acusações da atual gestão da pasta durante questionamentos de vereadores na última sessão da Câmara ao Secretário Hildjane Leite e de informações, que segundo ela, tem chegado ao seu conhecimento.

Leia na íntegra:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Diante de comentários mentirosos e injustos que têm, reiteradamente, chegado ao meu conhecimento, sinto-me no dever de vir a público informar que fizemos a transição de gestão de forma transparente e comprometida como nunca foi feito antes em Formosa do Rio Preto. Durante reunião, em dezembro, com a nossa equipe da Secretaria Municipal de Saúde na ocasião – incluindo todos os coordenadores dos diversos setores; Hildjane e Malena, representantes do atual governo, detalhamos como funcionava todos os serviços e o organograma que adotávamos.

Nesse encontro, além de explicar a dinâmica de funcionamento foram entregues relatórios sobre cada setor com senhas, nome de pacientes para cirurgia de cataratas e os pacientes registrados de glaucoma, entre outras informações de relevância para a Secretaria de Saúde. As senhas não entregues eram de uso pessoal vinculada ao Cartão SUS do profissional responsável, por isso, cabendo ao novo secretário cadastrar novos profissionais, conhecimento este que entendemos que o novo secretário tenha, pois já ocupou essa função e sabe perfeitamente que cada gestor tem sua dinâmica de trabalho e os seus liderados e que cabe ao mesmo estabelecer fluxos e liderar.

Todos os sistemas da Secretaria Municipal de Saúde, tanto de regulação quanto dos programas, ficaram em pleno funcionamento e com suas devidas bases de dados, sendo todos online. Não houve nenhum sistema apagado por nossa equipe. Não há dificuldade em realizar, se necessário, novos cadastros, mudanças de usuários e senhas, procedimento trivial para toda nova gestão e competência mínima exigida para uma equipe que aceita o desafio de gerir uma área tão complexa quanto a da Saúde.

Fizemos aditivo de todos os contratos referentes à contratação de especialidades médicas, exames e procedimentos, compra de remédios e de outros materiais e todos os demais serviços essenciais contínuos. Além de termos deixado vigorando o contrato de diversos profissionais da área de saúde, admitidos através de processo seletivo.

Assim, todos os serviços médicos, inclusive técnicos de enfermagem e enfermeiros, foram prorrogados até o dia 27 de março de 2021. Tempo suficiente para que novos processos licitatórios ocorressem, caso fosse escolha do atual governo, o qual deveria ter, necessariamente, montado sua equipe ainda em dezembro e planejado as ações essenciais para que já nos primeiros dias de janeiro tudo fosse providenciado, principalmente porque tem nas equipes diversas pessoas que já estiveram nos mesmos cargos em outras ocasiões e que, portanto, subentendesse entenderem do funcionamento do serviço público.

Todos os TFDs foram devidamente pagos desde 2017 até dezembro de 2020, período que era de nossa responsabilidade. E ainda disponibilizámos transporte para diversos pacientes que faziam consultas, exames ou tratamentos em outras cidades como Salvador, onde mantínhamos também uma casa de apoio. Nós recebíamos as solicitações de TFDs via Hospital Municipal Dr. Altino Lemos Santiago, mas a partir do dia primeiro de janeiro de 2021 caberia a atual gestão formular a sua dinâmica, tendo meios para o chamamento e/ou informação da população para que esse serviço imprescindível não fosse paralisado.

Os procedimentos administrativos eram concretizados via Secretaria de Administração, a partir da solicitação dos pacientes à Secretaria de Saúde, de acordo com a rotina que seguíamos, mas não há obrigatoriedade em ser mantida, pois cada gestão tem a sua forma de trabalhar e organizar seus fluxos e rotinas. Há inclusive uma comissão de transição de governo, coordenada pelos secretários de Administração do governo anterior e do atual, por meio da qual foram repassados os dados administrativos como licitações e contratos vigentes, entre outros.

Deixamos 12 veículos da Saúde adquiridos durante nosso governo em perfeito estado, limpos, revisados e funcionando. Sendo que 2 deles chegaram em dezembro e estavam praticamente 0 km e pelo menos 1 deles teria que ser destinado exclusivamente para coleta Covid-19, conforme adesivado, 4 ambulâncias do Hospital Municipal Dr. Altino Lemos Santiago e 2 ambulâncias do Samu (1 básica e 1 avançada – UTI Móvel).

Reitero que cada gestor tem sua forma de gerir, cada gestor dá a sua cara para o trabalho, no entanto, cumprindo nosso compromisso com a população, deixamos a Secretaria Municipal de Saúde pronta para funcionar e não cabe a mim explicar porque os contratos não foram utilizados. Desde primeiro de janeiro de 2021, a responsabilidade de ofertar e fazer funcionar o sistema de Saúde no município é da atual gestão, a quem cabe esclarecimentos, pois, como reconhecido pela população, recebeu os serviços funcionando, com estrutura física, de materiais e equipamentos e todos os trâmites administrativos à disposição para viabilizar os serviços.

Thaise Dias Soares Santos
Ex-Secretária Municipal de Saúde de Formosa do Rio Preto”

0 0 voto
Classificação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários