Oeste da BA tem recorde de produção de soja com colheita de 6 milhões de toneladas de grãos, diz associação

Foto: Fernando Rodrigues / TV Oeste

s municípios produtores de soja na região oeste da Bahia estão comemorando uma safra recorde. A colheita feita entre os meses de março e abril deste ano garantiram uma média de 62 sacas por hectare, o que representa a conquista de 6 milhões de toneladas de grãos.

Em entrevista ao G1, o engenheiro agrônomo e assessor de agronegócio da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Luiz Stahlke, disse que se trata de um recorde de produtividade do ponto de vista nacional. Embora não tenha dados oficiais, considera que a colheita também deve figurar entre as maiores do mundo.

Stahlke conta que a melhor safra já registrada na região tinha sido entre os anos de 2010 e 2011, quando foram colhidas 56 sacas por hectare. Em 2017, os produtores conquistaram 54 sacas.

“Há sete anos que não chegávamos na nossa melhor média registrada, que tinha sido de 56 sacas. Desta vez, os resultados estão para além das expectativas. A colheita superou todos os recordes”

A colheita envolve nove municípios que se destacam na produção de soja na região oeste da Bahia. São eles: Barreiras, Luís Eduardo Magalhães, São Desidério, Formosa do Rio Preto, Riachão das Neves, Correntina, Jaborandi, Cocos e Bainópolis.

Segundo dados da Aiba, 60% da produção desses municípios é destinada para países asisáticos e 40% para abastecer os mercados do norte/nordeste.

Sem ‘veranico’

Stahlke afirma que os bons resultados têm a ver com a distruibuição das chuvas na região durante o período de plantio e colheita, que vai de outubro a abril. Ele acrescenta que, diferentemente dos últimos anos, não houve prolongamento de dias de sol no período chuvoso.

“Por anos [no período chuvoso], chegamos a ficar de 30 a 40 dias sem chuva. Esse ano, a gente não teve esse problema”, conta.

Ao G1, a meteorologista Claudia Valéria, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), contou que essa pausa no período chuvoso é conhecida como “veranico”. “[O fenômeno] ocorre quando dentro do período chuvoso da região, aquele que tem frequência de chuvas elevadas, você tem uma sequência dias de sol”.

A meteorologista explica, entretanto, que o “veranico” costuma ter uma duração que varia entre sete e 15 dias.

Para além da ausência do “veranico” no período de plantio e colheita deste ano, Stahlke explica que os investimentos dos produtores da fertilidade do solo também foram determinantes para os bons resultados. Entre 2017 e 2018, a área de plantação chegou a 1,6 milhão de hectare. “Para nós, é a maior área plantada da história”.

Foto: Fernando Rodrigues / TV Oeste
Sobre Darlan Alves Lustosa 7969 Artigos
Darlan Lustosa é formosense que gosta da escrita e acredita que a política é um meio de transformação da vida das pessoas.Vive e mora em Formosa do Rio Preto, no extremo Oeste da Bahia, com registro profissional 6978/BA e sindicalizado, sobretudo para fortalecer a causa e defender direitos.
0 0 votos
Classificação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários