Países da África enfrentam a pior infestação de gafanhotos

As condições meteorológicas dos últimos meses resultaram numa gigantesca infestação de gafanhotos no leste da África

Agricultores do leste da África enfrentam a pior praga das últimas décadas, a infestação de milhões de gafanhotos do deserto. Foto: AP Photo/Patrick Ngugi.

.

Milhões de gafanhotos invadiram países do leste africano, dizimando plantações, pastagens e colocando em risco uma população que já vive com a “insegurança alimentar“, um termo encontrado por políticos para quem vive passando fome. Países como Somália e Etiópia vivem a pior infestação de gafanhotos em 25 anos. Já o Quênia, um dos mais afetados, não registra uma infestação dessa magnitude há pelo menos 70 anos.

Veja também:

.

Na Somália, onde os insetos devastam as reservas alimentares de uma das regiões mais pobres e vulneráveis do mundo, foi declarada situação de emergência nacional. A decisão do governo é concentrar esforços e arrecadar fundo, com o objetivo de conter a praga antes da colheita, prevista para abril.

.

Imagem: Reprodução – FAO

.

No final de janeiro, a Organização para Alimentação e Agricultura – Fao (da sigla em inglês) alertou que um pequeno enxame de gafanhotos, em uma área com um tamanho de mais ou menos 1 km², pode consumir comida o suficiente para 35 mil pessoas em apenas um dia.

Os enxames também chegaram a Índia e Paquistão. Sudão do Sul e Uganda também estão em risco e há grande preocupação com a formação de enxames na Eritreia, Arábia Saudita, Sudão e Iêmen.

.

Sobre Darlan Alves Lustosa 7981 Artigos
Darlan Lustosa é formosense que gosta da escrita e acredita que a política é um meio de transformação da vida das pessoas.Vive e mora em Formosa do Rio Preto, no extremo Oeste da Bahia, com registro profissional 6978/BA e sindicalizado, sobretudo para fortalecer a causa e defender direitos.
0 0 votos
Classificação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários