STF mantém ex-juíza com atuação em Formosa do Rio Preto afastada do cargo

Marivalda Almeida Moutinho foi alvo da Operação Faroeste, deflagrada em 2019 pela Polícia Federal.

Supremo Tribunal Federal, STF Marivalda Ameida Moutinho, TJ-BA, Tribunal de Justiça da Bahia
Foto: Divulgação/Via Bahia Notícias

Do Bahia Notícias | O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, negou pedido de habeas corpus impetrado pela juíza Marivalda Almeida Moutinho para que ela voltasse ao cargo no Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). A magistrada é investigada no âmbito da Operação Faroeste e é acusada dos crimes de lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa.

Marivalda Almeida Moutinho está afastada da função desde dezembro de 2019. Por quatro vezes a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça, prorrogou o afastamento. No pedido de habeas corpus julgado pelo STF, a juíza questiona a prorrogação do afastamento por mais um ano, em decisão proferida em 1º de fevereiro de 2023.

LEIA MAIS: Portal do Cerrado

O STJ tem renovado a decisão de afastamento de desembargadores e juízes alvos da Faroeste de período em período. Conforme o Bahia Notícias, sempre sob o argumento de que apesar das investigações estarem avançando, elas ainda não estão encerradas. Para o STF, o retorno às funções poderia afetar a apuração e a ordem pública (saiba mais).

Ainda conforme o Bahia Notícias, a defesa de Marivalda Almeida Moutinho alega que a manutenção da medida cautelar representa excesso de prazo e constitui-se em uma antecipação de pena. Ainda afirma que os advogados de defesa não foram convocados pelo STJ para a última sessão de julgamento que prorrogou novamente o afastamento.

Segundo o mesmo site, ao indicar que há uma “autêntica organização voltada ao comércio de decisões judiciais e ao exercício de influência na Corte de Justiça baiana”, especificamente no Oeste do estado, Edson Fachin reforçou que o afastamento de Marivalda Almeida Moutinho “é proporcional e adequada, devido à natureza dos delitos em apuração”.

As medidas cautelares também proíbem a juíza de acessar qualquer dependência do TJ-BA e de manter contato com assessores e funcionários da Corte.

ATUAÇÃO

A juíza Marivalda Almeida Moutinho foi designada pelo então presidente do TJ-BA, desembargador Gesivaldo Britto – também alvo da Operação Faroeste – para atuar em comarcas do oeste do estado, entre elas Santa Rita de Cássia e Formosa do Rio Preto.

Investigação feita pelo Ministério Público Federal (MPF) apontou para a suspeita de “indicação dirigida” de modo a impulsionar esquema criminoso idealizado pelo empresário Adailton Maturino. Ao proferir decisões favoráveis à organização, segundo o MPF, a magistrada também recebia vantagens financeiras de “maneira disfarçada”.

Sobre Redação 6107 Artigos
Perfil da redação do site Portal do Cerrado, site com notícias do Brasil, Bahia e em especial a região Oeste do estado
0 0 votos
Classificação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários