Trump anuncia hoje decisão sobre acordo nuclear com Irã

O presidente Donald Trump define nesta terça-feira (8) o destino do histórico acordo nuclear com o Irã, ao anunciar seu veredicto sobre se mantém ou não, a suspensão das sanções americanas que apoiam o pacto internacional.

Trump vem sendo um duro crítico do acordo.
Trump vem sendo um duro crítico do acordo.

Salvo uma mudança de último minuto, diplomatas e analistas estão convencidos de que o presidente dos Estados Unidos anunciará às 14h locais (15h em Brasília), na Casa Branca, que restabelecerá – ao menos parcialmente – as sanções suspensas contra Teerã como parte do acordo firmado em 2015 para evitar que esse país desenvolvesse armas nucleares.

“É bastante óbvio para mim” que o presidente voltará a impor sanções, disse um diplomata europeu na segunda-feira à noite em Washington.

Trump tem até 12 de maio para certificar que o Irã cumpriu o acordo, ou deixará o caminho livre para a retomada das sanções econômicas, se considerar insuficientes as soluções negociadas com os europeus para “endurecer” o acordo.

Isso implicaria, alegam os especialistas, a “morte” do acordo assinado em Viena entre Teerã e Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha, após seis anos de tensões pelo programa nuclear iraniano e de maratônicas negociações diplomáticas.

Os demais países signatários defenderam o pacto que consideram “histórico”, ressaltando que o Organismo Internacional de Energia Atômica (OIEA), que realiza inspeções muito minuciosas, regularmente certificou que Teerã respeita os termos do acordo, projetado para garantir o caráter não militar de seu programa nuclear.

“Estamos determinados a salvar este acordo, porque nos resguarda da proliferação nuclear”, afirmou na segunda-feira o chanceler da França, Jean-Yves Le Drian, em Berlim. Já seu colega alemão, Heiko Maas, expressou temores de que um “fracasso conduza a uma escalada” de violência no Oriente Médio.

Desastrosas deficiências

Durante sua campanha, Trump condenou “o plano de ação” acordado durante o governo democrata de Barack Obama, a quem condena por “desastrosas deficiências” no acordo com Teerã.

Em janeiro, lançou um ultimato aos europeus, dando-lhes até 12 de maio para “endurecer” o acordo em vários pontos: as inspeções do OIEA, e a suspensão progressiva – a partir de 2025 – de certas restrições às atividades nucleares iranianas.

O presidente alega ainda que o acordo não ataca diretamente o programa de mísseis balísticos de Teerã, nem seu papel “desestabilizador” em vários países do Oriente Médio, como Síria, Iêmen, ou Líbia.

França, Reino Unido e Alemanha assumiram as negociações com os diplomatas americanos para buscar possíveis soluções para suas preocupações.

Na segunda-feira, em Washington, o chefe da diplomacia britânica, Boris Johnson, reconheceu que as demandas de Trump são “legítimas”.

“Acreditamos que se pode ser mais duro com o Irã” e “abordar as preocupações do presidente” Trump sem desfazer o acordo, completou.

Durante uma visita à Casa Branca em 24 de abril, o presidente da França, Emmanuel Macron, propôs negociar “um novo acordo” com o Irã, em torno do “pilar” do firmado em 2015 e que construa outras bases para responder às preocupações americanas.

“Este acordo não é o melhor do mundo”, mas, “sem ser perfeito, tem um certo número de virtudes”, e os iranianos “o respeitam”, declarou nesta terça-feira (8) a ministra francesa das Forças Armadas, Florence Parly, à rádio RTL.

“Será necessário continuar defendendo melhorar esse acordo. Estejam os Estados Unidos presentes, ou não”, acrescentou.

Para Robert Malley, ex-negociador com o Irã na Presidência de Barack Obama e presidente do International Crisis Group, o destino do acordo está agora nas mãos dos europeus.

Próximos passos do Irã

Resta saber o que o Irã fará diante da possibilidade de os Estados Unidos restabelecerem as sanções.

Os ultraconservadores do país mantêm uma linha muito dura. Na quinta-feira, um conselheiro do aiatolá Ali Khamenei, o guia supremo iraniano, afirmou que Teerã deixará o acordo, se Washington cumprir sua ameaça.

Já o presidente Hassan Rohani disse, na segunda-feira, que o Irã poderia continuar aplicando as prerrogativas do acordo, mesmo após a saída dos EUA.

Rohani condicionou o respeito ao acordo a garantias “da parte não americana”. Caso contrário, “seguiremos nosso próprio caminho”, advertiu.

No domingo, Rohani havia declarado: “Seja qual for a decisão de Trump, resistiremos”.

“Se os Estados Unidos abandonarem o acordo nuclear, verão em breve que vão lamentar como nunca antes na história”, declarou.

Sobre Redação 6204 Artigos
Perfil da redação do site Portal do Cerrado, site com notícias do Brasil, Bahia e em especial a região Oeste do estado
0 0 votos
Classificação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários