O Projeto Paisagens Rurais lançado em Brasília será implantado em municípios do cerrado baiano.

Foto: Tony Oliveira |Adriano Brito | CNA

Projeto lançado na quarta-feira (03), em Brasília, pela Confederação Nacional da Agricultura (CNA) em parceria com o Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), a Embrapa, a Agência de Cooperação Técnica Alemã (GIZ) e o Banco Mundial vai oferecer capacitação e assistência técnica gerencial a quatro mil produtores rurais de oito estados e do Distrito Federal. O projeto inclui áreas em 53 bacias distribuídas em 12,5 milhões de hectares.

Assistência técnica prioritária

O número exato de propriedades beneficiadas na Bahia será divulgado a partir de agosto, quando o projeto começará a ser efetivamente implantado nas fazendas.

Com a coordenação do MAPA e pelo Serviço Florestal Brasileiro, o projeto inclui o incentivo à aplicação de técnicas agrícolas sustentáveis, como as tecnologias de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF). As ações vão unir estratégias de preservação que permitam o respeito à legislação ambiental e também o aumento da produtividade e da renda dos agricultores.

“Com essa parceria entre as entidades, faremos os projetos nas áreas de florestas andarem, tanto as plantadas quanto as nativas. Assim, tanto a agricultura quanto o meio ambiente farão seu trabalho para alcançarmos o desenvolvimento sustentável”, destacou o diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro, Valdir Collato.

As equipes vão monitorar cada propriedade por 24 meses, acompanhando a implantação e o desenvolvimento do projeto.

“Não tenho dúvida de que é possível aliar o aumento da produtividade com a preservação dos biomas. Sou uma defensora de que a sustentabilidade só vem via produção, desenvolvimento e renda. Lugar onde tem pobreza extrema não tem preservação. Um dos grandes reservatórios mundiais está no cerrado, e temos de cuidar de nossa água, de nosso solo. O produtor rural sempre preservou o ambiente, mas agora vai preservar mais com condições”, disse Tereza Cristina, ministra da Agricultura.

Serão investidos US$ 21 milhões do Fundo de Investimento Climático (CIF) com recursos do Programa de Investimentos em Florestas (FIP).

“Um ator chave para isso é o Senar, que fornece assistência técnica aliando a recuperação do cerrado com mais sustentabilidade, mais produtividade e mais renda. O meio ambiente não é inimigo da agricultura moderna, rentável e produtiva, ao contrário, isso é uma verdade que temos que incorporar nas nossas estratégias de desenvolvimento sustentável”, afirmou o Embaixador da Alemanha, Georg Witschel.

Sobre Darlan Alves Lustosa 8004 Artigos
Darlan Lustosa é formosense que gosta da escrita e acredita que a política é um meio de transformação da vida das pessoas.Vive e mora em Formosa do Rio Preto, no extremo Oeste da Bahia, com registro profissional 6978/BA e sindicalizado, sobretudo para fortalecer a causa e defender direitos.
0 0 votos
Classificação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários